Santuário do Senhor da Verônica

06 de março: Dia de Pernambuco
6 de março de 2018
O nosso propósito é atender bem
10 de maio de 2018

Santuário do Senhor da Verônica

O Senhor da Verônica está localizado na Fazenda Boca da Mata, a aproximadamente 2 km do Município de Araripina-PE.

A história do Senhor da Verônica surgiu, quando Jesus foi levado ao calvário, uma senhora chamada Verônica enxugou a face de Jesus com seu véu branco e de acordo com a história, no pano ficou a impressão da face de Jesus. Tornando-se uma das mais populares tradições cristã, e o seu véu é uma das mais amadas relíquias. De acordo com a tradição Verônica levou o véu para fora da terra santa e teria usado para curar o Imperador Tiberius (14-37) de uma doença grave. O véu foi levado para Roma no século VIII e foi transferido para a Basílica de São Pedro em 1297 pelo Papa Bonifácio VIII (1294-1303).

A imagem do Senhor da Verônica chegou à Família Arraes através das mãos de um mercador ambulante da Itália, que necessitando de abrigo e proteção foi acolhido na Fazenda da Família de João Arraes no Município de Pio IX no Piauí. Aonde este veio a ficar doente, e antes de falecer como gratidão, ele os presenteou com a imagem do Senhor da Verônica e pediu que ela fosse passada de geração em geração. E assim foi feito, João Arraes passou a imagem para seu filho Custodio Arraes que morava no Distrito de Varzea Nova no Município de Assaré-CE. Este, por sua vez, passou para seu ascendente João Custodio Arraes Neto, que se mudou do Ceará para o Pernambuco em março de 1903. Onde comprou a Fazenda Boca da Mata em Araripina-PE, fixando residência e passando a imagem para Cleomedio Arraes.

Em 1909 casa-se com Senhorinha que dão continuidade a adoração da imagem, ornando-a em cima de uma mesa com flores, velas e fitas. A cada dia aumentava os adoradores, motivo que levou a construir um centro de devoção, mas somente em 1950 foi benta a capela e a imagem passou a ser venerada em lugar apropriado a romaria. Cleomendio Arraes faleceu em 1952 e Senhorinha em 1956, cujos corpos estão sepultados na capela.

Em 1956, Luis Arraes (Sr. Louzinho), herdou a imagem ficando sob a sua guarda até o ano de 1998. A partir daí sua filha Filomena Rodrigues Arraes é a responsável que juntamente com a família organizam o Tríduo Festivo que acontece anualmente no final do mês de outubro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + dez =